acompanhar

Google+ Followers

Loading...

BENVINDANÇAS

bem vindo ao tempo em que centopeia era carro de guerreiros/
bem vindo ao castelo do último vampiro associado ao último dos dragões/
bem vindo ao amor do amor amado na chama louca dos compassos sussurrados pelo deus dos relâmpagos clamados/

bem vindo à torre em que o pirata espreita o sono povoado da princesa, sabendo: conto de fadas é armadilha e só o otário espera compreensão/
bem vindo, sobretudo, à terra de uma política tão incorreta, que dizer o que pensa é obrigatório na luta pela vida que mantém a cabeça no pescoço

Total de visualizações de página

Postagens populares

Postagens populares

Follow by Email

Translate

Google+ Badge

domingo, 25 de julho de 2010

MEGATONS

Quinto-sexo soterrado em metais!
cibernética perda da carne,
na curva, embaixo da escuridão
os lobos espreitam
- esta noite o amor morrerá
atraiçoado
pombos degolados ensanguentando
as igrejas aos megatons

Sereias mentoladas chupando sorvete de fogo do Anjo Tarado
no céu marginal repleto de anjos de bundas de aluguel
expostas nas rochas ensanguentadas sobre as nuvens
mercenários

Lady Vampira ligando a Cidade do Metal
na tomada do Cio do Sonho com a Estrada,
meus braços áridos de você aurora borrada de lixo
microfonia no buraco negro Avenida devoradora caminhão fálico
quero correr numa cidade futurista e subnutrida esmigalhado
pela Beleza Devastadora da mulher nua cravejada por três esmeraldas
murmurantes quero beber o néctar do teu sexo num bar aéreo
emasculado pela suavidade viril das tuas mãos, bela violência
o Grande Fodido entrevera judicipárias e cirurgias alucinógenas
no aquário-metrópole corrompendo guardas de tridentes vivos 

e salta rodando rodando rumo à Porcaria Estrelada

VERBO BRASEADO

Eu recebo do meio das tuas coxas
uma ametista de tesão,
me deleitando de tal maneira
que anjo ou escravo
permaneço desacertando o tempo
numa conta que novesfora o quando

Cada passo de tango deslizado
na teu encalço desloca uma estrela
do mapa do pirata
como posso arrancar a confissão da minha sombra
se no céu planam olhos que me 'spionam o sonho?

Seja como for, as carências do amor
me chamam o vampiro,
eu chego - na mão a guitarra passareda
ecoando verbo braseado
que assaudada o presenteio
do teu bosquear de mulher