acompanhar

Google+ Followers

Loading...

BENVINDANÇAS

bem vindo ao tempo em que centopeia era carro de guerreiros/
bem vindo ao castelo do último vampiro associado ao último dos dragões/
bem vindo ao amor do amor amado na chama louca dos compassos sussurrados pelo deus dos relâmpagos clamados/

bem vindo à torre em que o pirata espreita o sono povoado da princesa, sabendo: conto de fadas é armadilha e só o otário espera compreensão/
bem vindo, sobretudo, à terra de uma política tão incorreta, que dizer o que pensa é obrigatório na luta pela vida que mantém a cabeça no pescoço

Total de visualizações de página

Postagens populares

Postagens populares

Follow by Email

Translate

Google+ Badge

domingo, 26 de junho de 2011

NÃO É AMOR


Parece que a noite aumenta a ansiedade,
aquela pessoa não vem, ela não vem,
e quando vem, por breves momentos
apenas justifica o não vir com argumentos
das dificuldades cotidianas, sequer pergunta
por você, na verdade você entende
que nunca significou nada, apenas obedeceu
o que aquela pessoa quis, colocou o nome dela
em tudo o que é teu, exaltou a existência dela,
e ela sequer apontou em público a sua invisível
passagem, em nenhuma moeda cunhou
o perfil esquivo da tua existência.

Não é amor, nunca será amor o que não elege
a tua presença. Não que você exija coroação, premio,
o verdadeiro amante se contenta com o sorriso no olhar,
mas quem disse que pode sorrir quem te olha
se quem te olha nunca vê?
Evite os amores exigentes, livre-se dos dedos apontados
que te cobram atitudes, quem ama quer apenas amar,

ser amado é um principio que pode não funcionar.

O Amor declarado permanece na alma,
e quem ama por Amor ao ser amado
sabe bem que o Amor quase nunca vem de volta

Licença Creative Commons
NÃO É AMOR de ERIKO ALVYM é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Based on a work at erikoalvym.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.poemasdeamor.com.br/poemas/poema.aspx?id=51455.