acompanhar

Google+ Followers

Loading...

BENVINDANÇAS

bem vindo ao tempo em que centopeia era carro de guerreiros/
bem vindo ao castelo do último vampiro associado ao último dos dragões/
bem vindo ao amor do amor amado na chama louca dos compassos sussurrados pelo deus dos relâmpagos clamados/

bem vindo à torre em que o pirata espreita o sono povoado da princesa, sabendo: conto de fadas é armadilha e só o otário espera compreensão/
bem vindo, sobretudo, à terra de uma política tão incorreta, que dizer o que pensa é obrigatório na luta pela vida que mantém a cabeça no pescoço

Total de visualizações de página

Postagens populares

Postagens populares

Follow by Email

Translate

Google+ Badge

quinta-feira, 30 de junho de 2011

BONECA de MILHO


Ando nu no meio da multidão
e vejo meus semelhantes com o rosto
estampado de trevas,
o alvoroço da queda da lua na beiramar
espalha destroços ao longo da cidade descrente,
para alegria das crianças e dos cachorros.

A avenida arrasta a minha voz pelas esquinas
e o ladrão empunha a cruz apesar da máscara,
sou o Inexistente e o meu nome é Nunca,
mais do que a Miséria e o Inferno
massacro quem não domina a linguagem do Tempo
pois se escadarias levam do deserto ao sucesso,
os degraus aguardam senhas.

Calado espero com impaciente tranquilidade
o fim da disputa entre o galináceo e a estrela,
o cosmos está fechado ao desfrute da vaidade,
é melhor trocar os olhos pelo bilhete premiado
na eternidade, quem não prefere assistir
à queda dos impérios aonde a dor é um jogo de cartela?

Atualmente utilizo cetro e coroa para conduzir
ávidas garotas ao estofado do carro,
quando o Anjo da Guerra me entregará a espada
com o meu nome? quando deixarei as ancas famintas
das adolescentes sexypatrocinadas
pela cavalgadura fúnebre dos assassinos condecorados?

A glória da conquista é uma boneca de milho
como a moral é um urubu em voo rasante
balas perdidas chegam no perfume das rosas,
até quando a paciência permanecerá virtude?
O certo é esconder o armamento nas catacumbas
pois o lobo fareja o momento propício
de atirar no lixo a máscara do herói