acompanhar

Google+ Followers

Loading...

BENVINDANÇAS

bem vindo ao tempo em que centopeia era carro de guerreiros/
bem vindo ao castelo do último vampiro associado ao último dos dragões/
bem vindo ao amor do amor amado na chama louca dos compassos sussurrados pelo deus dos relâmpagos clamados/

bem vindo à torre em que o pirata espreita o sono povoado da princesa, sabendo: conto de fadas é armadilha e só o otário espera compreensão/
bem vindo, sobretudo, à terra de uma política tão incorreta, que dizer o que pensa é obrigatório na luta pela vida que mantém a cabeça no pescoço

Total de visualizações de página

Postagens populares

Postagens populares

Follow by Email

Translate

Google+ Badge

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

AMOR da TUA FIDELIDADE


cabeça cortada desbandeira horizontes
nenhum gigante alua

magias noturnas desingraçam
a pergunta:
ouso conceber universos
qual a face da semelhança
no meu Edem esciturado

anjos rolam primaveras
e o caos é uma pororoca
de olhos videntes
quero a memória
num drinque de sangue
coberto de fogo
- teu corpo é a ordem selvagem

eu quero conhecer a audácia,
no jardim dos seres sonhados
meu coração é uma gruta
aonde queima a chama cheia de música
e o teu corpo é a dança sorrindo
e você toca o Alfa e aciona o Òmega
e eu me descubro concreto no sonho

o Nunca chegou: velho mendigo idiota
vende jormais impressos no vazio
minha foto é uma escuridão
e eu renego a luxúria da miséria
sirvo teu paladar nos doces de olhos amantes
e descosturo as linhas das mãos
escravizando o Amor da tua Fidelidade

pelas palmas extorsivas sexofabuladas de Poder Carnal

Licença Creative Commons
AMOR da TUA FIDELIDADE de ERIKO ALVYM é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Based on a work at erikoalvym.blogspot.com.

ERIKO ALVYM - ROCK, BLUES & POESIA: BANQUETES

ERIKO ALVYM - ROCK, BLUES & POESIA: BANQUETES: é quando vejo o inerte da minha carne, a lição supersticiosa se faz presente, a morte irrompe coroada de aurora, nua como a terra molh...